Qualificação Espacial de um Propulsor de 5N e de um Catalisador Nacional para Propulsão de Satélites

A propulsão de satélites é constituída de reatores em leito fixo (propulsores), carregados com catalisador Ir/Al2O3, com teor metálico entre 30 e 35% em massa, nos quais ocorre a decomposição do monopropelente hidrazina. A Empresa Fibraforte desenvolveu um propulsor monopropelente a hidrazina de 5 N para uso em satélites e testou o mesmo com o emprego de um catalisador americano mundialmente utilizado, S-405 (anteriormente denominado Shell 405), com a finalidade de qualificá-lo. Foi efetuada uma sequência de ensaios em “Banco de Teste com Simulação de Altitude (BTSA/LCP/INPE)”, em regime de alimentação pulsado ou contínuo, sob diferentes pressões do monopropelente e com uma duração total de 11.000s (equivalente a duas vezes a vida útil do satélite). Os resultados obtidos permitiram a qualificação do propulsor fabricado pela Fibraforte. Utilizando este propulsor, foi executada uma nova sequência de ensaios, nas mesmas condições anteriores, com o emprego do catalisador nacional LCP-33R, preparado pelo Grupo de Catálise do LCP/INPE. Os resultados obtidos com este último catalisador, semelhantes àqueles obtidos com o catalisador americano, permitem qualificá-lo.

Download da publicação