Ensaios de qualificação de um subsistema de propulsão monopropelente com empuxo de 5N, operando com catalisador brasileiro

O presente trabalho apresenta alguns resultados obtidos em ensaios realizados em uma câmara com altitude simulada, durante a avaliação do desempenho de um propulsor monopropelente carregado com um catalisador com 32% IR/ Al2O3, desenvolvido e fabricado no Brasil, que opera com decomposição de hidrazina. O propulsor foi projetado para ser embarcado em uma plataforma espacial. O Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais- INPE, através do Laboratório de Combustão e Propulsão, é o responsável pelo desenvolvimento do catalisador brasileiro e os ensaios de avaliação do desempenho deste propulsor realizados sob condições de altitude simulada. O propulsor com 5 N de empuxo foi projetado e construído pela empresa FibraForte Engenharia Industria e Comércio Ltda, e foi qualificado em ensaios carregado com o catalisador comercial americano S-45. Este subsistema propulsivo operou com bons resultados durante os ensaios por um período de três horas, com partidas a frio e a quente, em regimes pulsados e contínuos. Este período de operação representa o dobro da vida útil requerida para a missão especificada pelo Programa Espacial Brasileiro. Em uma comparação entre o propulsor equipado com o catalisador comercial S-45 e com o catalisador brasileiro, nas mesmas condições, os resultados mostraram um comportamento similar. Os principais parâmetros avaliados foram pressão de câmara, temperaturas, empuxo e atraso na partida. A reprodutibilidade de preparação do catalisador foi avaliada carregando-se o propulsor com três diferentes lotes fabricados da mesma maneira. Foi repetida a mesma sequência de ensaios, e os resultados mostraram-se semelhantes, o que habilita o subsistema propulsivo (propulsor e catalisador) brasileiro a ser qualificado para utilização espacial.

catalisador irídio-alumina, propulsão, satélite, hidrazina, órbita e atitude

Download da publicação